Commencement Speech for the Computer Scientists and Engineers

I had the honor and pleasure to give a commencement speech for the Computer Scientists and Engineers who graduated at UNICAMP yesterday. Prof. Dr. Ricardo Torres, Dean of the Institute of Computing, gave the main speech and addressed the graduates. As Director of Graduate Studies for Computer Engineering, I addressed the public, before him. Below is a translation of what I said ; the original, in Portuguese, is at the end.

My colleagues at the board,
Dearest graduates,
Dear parents,
Ladies and gentlemen.

It is always a joy to participate at this solemnity. Although UNICAMP has many endeavors, certainly Undergraduate Teaching is the most conspicuous, the one that brings us closer to the public, the one that, so to speak, puts us in people’s hearts. Thus, Graduation brings us all — students and professors — a feeling of mission accomplished. I’ll start, therefore, congratulating — but also thanking — the graduates for their achievement.

Congratulations also to the parents, the families ; we know that this victory is also yours.

But as Director of Undergraduate Studies, I think of all our graduates : not only today’s, also tomorrow’s. So I’ll ask for a few minutes of your patience to talk about the courses and professions of Computing.

Professions, I say, in the plural, since of all areas, Informatics is among the largest, most welcoming. I prefer that word, Informatics, because the term Computing puts too much emphasis on calculations, and even on the device itself, the computer. Let’s put the focus where it is due : on information.

Information that changed the world. Who can conceive life without the Internet ? Without Wikipedia ? Or even WhatsApp ? Remember that the availability of Internet to the general public has about 20 years ; Wikipedia has 15 ; WhatsApp has 6. Six years ! What else had such an impact in such a short time ?

British writer Arthur C. Clarke said that any sufficiently advanced technology is indistinguishable from magic. And the recent achievements of Informatics seem indeed a thing of magic.

We have today augmented reality translators, where we film a sign, a marquee, and the screen shows the same image with the text in another language ;

Applications that map our way from home to work, diverting from traffic, and one day warn us “leave out earlier today because there is a traffic jam” ;

And there is also this: [ speaker takes the phone and says ] Find commencement speeches. [ The phone answers ] “Okay, here’s what I found on Internet about commencement speech.’

Magic ! — Or is it ?

As educators, it’s our ambition to remove this veil of magic. Our Universe after all, is not the World of Harry Potter, it’s not the Middle-Earth of Hobbits, it’s not Narnia. No : our world is much more interesting than all those, because it’s a world structured by science. Science maybe doesn’t get the same glamor as magic in Hollywood movies, but its power is ultimately higher — a system to find truth, to understand, and eventually to manipulate reality.

A device like this [smartphone] does not arise by spontaneous generation, it does not grow on trees, and neither is the result of a spell. Each of the thousands — or probably millions — of components and processes, of software and of hardware, that made this object possible, was the result of the deliberate actions of a person. There is no magic : there is a complex network of knowledge, inspiration, and sweat.

That complexity is one strength of Informatics ; it’s what makes the profession so diverse, so full of roles. Some design the hardware, some write the software, some support to the user, some design the interface, some even think of the user experience, from the moment of taking the product out of the box, until the moment of giving it back for recycling. There are people in computing who spend months without writing ten lines of code, and others who produce thousands per month. Some spend their lives dealing with people, mediating, negotiating ; others hide behind their keyboards and, of human interaction, are content with “good morning”. There is room for all inclinations, and for all vocations.

Complexity is also a weakness of Informatics. It is a profession misunderstood by the public, full of myths, stereotypes. I’d like to dispel some of them.

The first myth is that Computing is bureaucratic, without room for creativity. On the contrary, Informatics is creative, expressive. A computer program is, quite literally, a piece of thought fixed on a support, which the programmer shapes, gives a breath of life, and it gains its own independent existence. If that is not creation, it is not expression, then what is ? — And I’m not even touching the more conventionally artistic areas of the profession, such as interface, interaction, and product design.

The second myth is that computing is reserved for nerds, or for the wunderkinder. Look, nothing against nerds — after all, I am one of them — but we have in no way a monopoly of Informatics. It also makes me sad, not to mention furious with our education system, when a 10-year old child, who is having some trouble with the multiplication tables for seven decides (or has it decided for her) that [1] she is not good at Math ; [2] she was not born with the gift of Mathematics ; [3] she should not aspire to a career in STEM. Out with this nonsense ! Math is like everything in life, it’s like jumping rope, it’s like dancing tango : you learn it with effort, you learn it with persistence — it is not a matter of genetics, it is a matter of toil. And the real Mathematics, creative, expressive, useful — the Mathematics that changes the world — has nothing to do with being very good at the seven times table.

The third myth is that the impact of computing is technical, distant from people. Given all that I said, this one should be already gone, but since it’s a very insidious one, I’ll make it explicit. It saddens me to watch young people abandoning a vocation for Computing, for Engineering, and seeking other professions — usually Law or Medicine — because they want to “help people”. Nothing against Law and Medicine, beautiful professions, but that is an awful reason to abandon Computing. Just think a little bit beyond the obvious to realize the enormous impact — social, cultural, ecological, economic, you can pick — a committed computing professional has to a large number of people. What kind of impact has a comprehensive, high quality, free encyclopedia ? A channel of expression where all citizens can post their videos and be watched worldwide, without passing the scrutiny, the censorship of governments, of broadcasters ? A funding social network where any project may come to life, without having to please a conservative committee of investors ? Think of Wikipedia, of YouTube, of Kickstarter, the next time you be tempted to think Computing does not help people.

And finally, I have to attack the old myth — that we still hear — that Informatics is a male profession, a profession reserved for boys. How many talented girls, young women, do not give up Computing because they believe that nonsense ? The result is that still today our course is more sought after by boys than by girls, but fortunately that is changing. We are committed to making our environment increasingly diverse, and to be welcoming to all genders. In that spirit, I pray — I beg, in fact — that parents show enthusiasm for their daughters who become interested in Computing, the same enthusiasm that they usually manifest when the interest comes from their sons. And now I address directly the sisters, cousins, nieces, not still in College age who are here today : yes, Computing is for you, we are counting on you, we are waiting for you when the time comes to enter UNICAMP.

Ladies, gentlemen, I have by now certainly took more of your time than civility allowed. I am greatly thankful for the opportunity to participate in that wonderful moment, and again, congratulating our graduates, I close my speech.

 

Colegas da mesa,
Queridas formandas, queridos formandos,
Senhores pais,
Senhoras e senhores.

É sempre com alegria que participamos desta Solenidade. Embora a UNICAMP desenvolva muitas atividades, certamente o Ensino de Graduação é a mais presente na lembrança, e é a que mais nos aproxima do público, a que, por assim dizer, nos coloca no coração das pessoas. Sendo assim, a Formatura é um momento que nos dá a todos — estudantes e professores — a sensação de dever cumprido. Dessa forma, eu começo, parabenizando — mas também agradecendo — aos formandos por essa conquista.

Parabenizo também aos pais, às famílias, pois sabemos que essa vitória também é de vocês.

Mas sendo Coordenador do Curso, eu devo me preocupar com todos os nossos formandos: não só os de hoje, também os do futuro. Por isso vou pedir alguns minutos da sua paciência para falar dos cursos e das profissões de Computação.

Profissões, digo eu, no plural, pois de todas as áreas, a Informática está entre as mais amplas, mais acolhedoras. Gosto dessa palavra, Informática, porque o termo Computação coloca ênfase demais nos cálculos, e até no próprio aparelho, o computador. Vamos colocar o foco onde é devido, na Informação.

Informação que transformou o mundo. Quem de nós concebe a vida sem Internet ? Sem Wikipedia ? Sem WhatsApp ? Ora, eu quero lembrar que a Internet para o grande público tem cerca de 20 anos ; a Wikipedia, 15 ; o WhatsApp, 6. Seis anos ! Que outras mudanças tiveram tanto impacto em tão pouco tempo ?

O escritor britânico Arthur C. Clarke dizia que qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível de magia. E as conquistas recentes da Informática parecem mesmo coisa de mágica :

Temos hoje tradutores de realidade aumentada, em que filmamos uma placa, um letreiro, e a tela nos mostra a mesma imagem com o texto em outra língua ;

Aplicativos que traçam nosso caminho da casa para o trabalho, desviando do trânsito, e um belo dia nos avisam “saia mais cedo hoje, porque há um engarrafamento” ;

E há também isso : [ orador toma o telefone e diz ] Encontre discursos de formatura.   [ o telefone responde ] “Okay, aqui está o que eu encontrei na Internet sobre ‘discurso de formatura’.”

Mágica ! — Ou será mesmo ?

É nossa ambição como educadores remover esse véu da magia. Nosso Universo afinal, não é o Mundo de Harry Potter, não é a Terra Média dos Hobbits, não é Narnia. Não : nosso mundo é muito mais interessante que todos esses, pois é um mundo estruturado pela ciência. A ciência pode não ter o mesmo glamour da magia nos filmes de Hollywood, mas o poder dela é maior — um sistema de encontrar a verdade, que nos permite entender, e finalmente manipular a realidade.

Um aparelho como este [smartphone] não surge por geração espontânea, não cresce em árvores, e nem é resultado de um feitiço. Cada um dos milhares — ou provavelmente milhões — de componentes e processos, de hardware e de software que tornaram este objetivo possível, foi resultado da ação deliberada de uma pessoa. Não existe mágica : existe uma complexa rede de conhecimento, inspiração, e suor.

Essa complexidade é uma das forças da Informática, é ela que torna a profissão tão diversa, tão cheia de papéis. Há quem projete o hardware, há quem escreva o software, há quem dê suporte ao usuário, há quem desenhe a interface, há até quem pense a experiência do usuário, desde o momento de tirar o produto da caixa, até o devolve-lo para reciclagem. Há computeiros que passam meses sem escrever dez linhas sequer de programa, e outras que produzem milhares por mês. Alguns passam a vida lidando com pessoas, mediando, negociando ; outras se escondem atrás do teclado e, de interação humana, já estão felizes com “bom dia”. Há espaço para todos os perfis, e para todas as vocações.

A complexidade é também uma fraqueza da Informática. É uma profissão mal compreendida pelo público, cheia de mitos, de estereótipos. Eu gostaria de desfazer alguns deles.

O primeiro mito é que a Computação é burocrática, sem espaço para a criatividade. Muito ao contrário, a Informática é criativa, é expressiva. Um programa de computador é, quase literalmente, um pedaço de pensamento fixado em um suporte, que o programador molda, dá um sopro da vida, e ele cria uma existência própria, independente. Se isso não é criação, não é expressão, então o que é ? — E eu nem estou mencionando as áreas mais convencionalmente artísticas da profissão, como o design de interface, de interação, e de produto.

O segundo mito é que a Computação é reservada aos nerds, ou então aos prodígios. Olha, nada contra os nerds — afinal eu sou um deles — mas nós não temos nenhum monopólio da Informática. Além disso, me deixa tristíssimo, para não dizer furioso com nosso sistema de ensino, quando uma criança de 10 anos que está com dificuldade na tabuada do sete decide (ou então é decidido por ela) que [1] ela não é boa em matemática ; [2] ela não nasceu com o dom da matemática ; [3] ela não deve seguir uma profissão de exatas. Vamos abandonar essas bobagens ! Matemática é como tudo na vida, é como pular corda, é como dançar tango : se aprende com esforço, se aprende com persistência — não é questão de genética, é questão de labuta. E a verdadeira Matemática, criativa, expressiva, útil — a Matemática que muda o mundo — não tem nada a ver com ser muito bom na tabuada do sete.

O terceiro mito é que o impacto da Computação é técnico, distante do humano. Dado tudo o que eu falei, era para esse já estar desfeito, mas ele é muito insidioso, então eu vou deixar explícito. Me entristece ver jovens abandonarem a vocação para a Computação, para a Engenharia, e procurarem outras profissões — normalmente o Direito e a Medicina — porque querem “ajudar as pessoas”. Nada contra Direito e Medicina, profissões belíssimas, mas essa é uma péssima razão para abandonar a Informática. Basta pensar um mínimo além do imediato para perceber o enorme impacto — social, cultural, ecológico, econômico : podem escolher — que um profissional da informática engajado tem para um grande número de pessoas. Que impacto traz criar uma enciclopédia abrangente, de alta qualidade, gratuita ? Um canal de expressão onde qualquer cidadão pode postar o seu vídeo e ser assistido no mundo inteiro, sem passar pelo crivo ou censura de governos, de emissoras ? Uma rede social de financiamento onde qualquer projeto pode ganhar vida, sem ter que agradar um comitê conservador de investidores ? Pensem na Wikipedia, no YouTube, no Kickstarter a próxima vez em que ficarem tentados a pensar que a informática não ajuda as pessoas.

E finalmente, tenho que atacar o velho mito, que a gente ainda ouve, de que a Informática é uma profissão masculina, uma profissão reservada aos meninos. Quantas meninas, jovens, mulheres talentosas não deixam de vir para a Computação porque acreditaram nessa bobagem ? O resultado é termos um curso ainda muito mais procurado pelos meninos do que pelas meninas, mas felizmente isso já está mudando. Nós estamos engajados em tornar o curso cada vez mais diverso, e acolhedor para todos os gêneros. Nesse sentido é que eu rogo, aliás imploro, aos pais que manifestem entusiasmo pelas filhas que se interessarem pela Informática, o mesmo entusiasmo que normalmente manifestam quando o interesse vem dos filhos homens. E deixo aqui minha mensagem para as irmãs, para as primas, para as sobrinhas que ainda não ingressaram na Universidade. A Computação é para vocês sim, e nós estamos contando com vocês, esperando por vocês quando chegar a hora de vocês virem para a UNICAMP !

Senhoras, senhores, eu já me alonguei certamente mais do que o bom tom permitia. Agradeço imensamente a oportunidade de participar desse momento maravilhoso, e parabenizando novamente nossos formandos encerro aqui a minha fala.

5 thoughts on “Commencement Speech for the Computer Scientists and Engineers

  1. Sou pai do formando Nicholas Matuzita Mizoguchi e perdi seu discurso de encerramento de curso. Tive que fazer o acompanhamento de minha esposa que está internada. Mas tive o relato de várias pessoas de que sua apresentação representou um divisor de águas em termos de atualidade, adequação e objetividade. Tive que conferir. Gostaria de poder ter acesso ao vídeo, caso alguém tenha gravado, mas só de ler o conteúdo já imaginei o show que deve ter acontecido na cerimônia.
    Agradeço a esta instituição e a seus docentes pois o Nicholas conseguiu construir uma carreira sólida e promissora por causa do seus ensinamentos e orientações. Ele teve a oportunidade de aproveitar o Ciências sem fronteiras e cursar um ano inteiro no MIT (Massachusetts Institute of Technology) e ter a certeza que a UNICAMP é uma instituição de qualidade como as maiores instituições do mundo.
    Por coincidência o tema da apresentação dele para se candidatar ao curso no MIT era justamente este ponto de vista da mágica que a tecnologia proporciona ao usuário, sem que ele perceba o esforço e o conteúdo por traz desta “mágica”. E na sequência apesar do ponto de vista lúdico, ele foi solicitado a montar a grade necessária para construir as ferramentas da “mágica”, elegendo as matérias que ele queria cursar.
    Obrigado professor, pelo presente nestes dias tão confusos e caóticos.

    • Desejo melhoras para a sua esposa. Obrigado pela mensagem, fico muito feliz de ter esse feedback — estamos trabalhando para ter na UNICAMP cursos de Computação cada vez mais atuais, tanto em conteúdo quanto em didática.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s